Artigos

Alimentação Complementar

<< Voltar

Alimentação Complementar

No primeiro ano de vida, devido à vulnerabilidade, dependência e fase de crescimento, a nutrição é fundamental para o adequado desenvolvimento e crescimento do lactente, principalmente a partir dos 6 meses de idade, com a complementação do leite materno que garante o bom desenvolvimento físico, neurológico e motor da criança.

Quando é necessário complementar ou suplementar o leite materno, devido à ingestão inadequada ou quando a mãe não quer ou não pode amamentar, o procedimento exigirá decisão clínica individualizada e se o bebê estiver no período inicial da vida, o recomendável é utilizar o Banco de Leite Humano ou introduzir a fórmula infantil, sendo a alternativa aceitável ao leite materno são as fórmulas infantis regulamentadas pelo Codex Alimentarius, que devem ser equilibradas e atenderem às necessidades nutricionais da criança, e para isso os grupos científicos e indústrias de alimentos lácteos têm alterado o leite de vaca, com o objetivo de aproximá-lo nutricionalmente do leite humano.

Aleitamento materno exclusivo é definido quando a criança recebe somente leite materno, gotas ou xaropes de vitaminas e minerais e/ou medicamentos e atualmente preconiza-se que sua duração seja de 6 meses,  pois atende todas às necessidades nutricionais e protege o lactente de várias enfermidades. A introdução oportuna dos alimentos complementares deve ser adequada, segura e apropriada, após esse período, e tem o objetivo de adequar as quantidades de energia, macronutrientes e micronutrientes, entretanto, o aleitamento materno deve ser mantido pelo menos até os 24 meses de idade.

A lactante, além de estar ciente das vantagens do aleitamento materno, deve ser incentivada à prática do mesmo, pois surgem vários obstáculos que podem levar ao abandono da amamentação, portanto, é necessário contar com apoio o de profissionais qualificados. O efeito anticoncepcional e a proteção contra infecções da amamentação prolongada são argumentos favoráveis da prática da amamentação além do primeiro ano de vida.

O aleitamento materno é uma prática biologicamente determinada que varia de acordo com cada cultura , que deve ser constantemente estimulada, desde o pré natal. O leite materno protege o lactente da desnutrição, dos processos alérgicos, da diarréia e da anemia.
 

Devido a ocorrência dos vários ajustes fisiológicos, uma atenção especial deve ser dada às defesas imunológicas e ao consumo adequado de nutrientes, que variam de acordo com os padrões individuais de crescimento. À medida que o sistema gastrointestinal aumenta suas funções e consegue digerir os nutrientes, a introdução de alimentos sólidos deve ser feita com atenção, em paralelo ao desenvolvimento do sistema nervoso central, que passa a reconhecer alimentos com várias texturas e aceitá-los ou não. O leite materno tem papel fundamenta neste sentido, na medida em que seu sabor varia em função da dieta materna e prepara a criança para os alimentos posteriores.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

SIMON, Viviane G. N.; SOUZA, José M. P.; SOUZA, Sonia B. Introdução de alimentos complementares e sua relação com variáveis demográficas e socioeconômicas, em crianças no primeiro ano de vida, nascidas em Hospital Universitário no município de São Paulo. Rev. bras. epidemiol.,  São Paulo,  v. 6,  n. 1, 2003. 

OLIVEIRA, Lucivalda P. M. et al . Alimentação complementar nos primeiros dois anos de vida. Rev. Nutr.,  Campinas,  v. 18,  n. 4, 2005. 

PALMA, Domingos. Alimentação da criança. O desmame: quando, como e por quê? In:

CARDOSO, Ary L.; LOPES, Luiz A.; TADDEI José A. A. C. Tópicos atuais em nutrição pediátrica. São Paulo: Atheneu, 2006, cap. 1.

WHO (World Health Organization). The optimal duration of exclusive breast feeding. 2001. Note for the press nº 7. Disponível em:<http://www.who.int/inf-pr-2001/en/note2001-07.html>. Acesso em: 02 Set 2008.  

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Política de Saúde. Organização Pan Americana da Saúde. Guia Alimentar para crianças menores de dois anos. Série A. Normas e Manuais Técnicos, n.107. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2002. 152p.

GIUGLIANI Elsa. R. J.; LAMOUNIER J. A. Aleitamento materno: uma contribuição científica para a prática do profissional de saúde. J Pediatr., Rio de Janeiro, v. 80, (Supl. 5):S117-S118, 2004.

GIUGLIANI, Elsa R. J. ; VICTORA, Cesar G. Normas alimentares para crianças brasileiras menores de dois anos. Embasamento científico. Organização Mundial de Saúde / Organização Pan Americana da Saúde. 1997. 77p.

BERNARDI, Júlia L. D. Prevalência do aleitamento materno, introdução complementar de alimentos e crescimento de crianças menores de dois anos em Campinas, São Paulo (tese de doutorado). Campinas (SP): Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas, 2007.


Desenvolvido por SITECA
Contato
E-mailabcnutri@abcnutri.com.br E-mail11 9 6842-7084 Thais